Cabo

“Cidades Fantasma” estreia no canal História

historia

Através de impressionantes ruínas conheceremos assuntos chave que deram forma à sociedade dos séculos XX e XXI: a luta das organizações sociais, a globalização, o colonialismo, a gestão de recursos, a energia ou a mobilidade. A série coloca o enfoque sobre os restos das crises (económicas) mais recentes e demonstra que a história da civilização moderna sempre experimentou e experimentará alterações profundas. Através das atípicas paisagens que cada episódio da série inclui, o espetador obtém uma ampla perspetiva das culturas de vários países ocidentais – ou de influência ocidental – que pertencem a três continentes diferentes: América do Norte (Detroit, nos EUA), América do Sul (Fordlândia, no Brasil), África (Kolmanskop, na Namíbia) e Europa (Spitsbergen, na Noruega, eLohberg, na Alemanha). Os monumentos caídos da era moderna que aparecem em cada episódio falam-nos de progresso e declive, de sonhos desfeitos e utopias arruinadas, de cataclismos estruturais e alterações políticas, e mostram, também, como uma natureza impassível e paciente reconquista o terreno perdido.

Ao longo da semana assista pelas 21h10, aos episódios:

Segunda-feira, dia 1, OS DIAMANTES DA NAMÍBIA

Kolmanskopcidade da Namíbia fundada pelos alemães, tornou-se na cidade mais rica de África nos inícios do século XX. O motivo: uma mina de diamantes. No entanto, há já muito tempo que colonos e buscadores de pedras preciosas se foram embora do local, e o que antes era uma cidade florescente, agora é apenas uma cidade fantasma. Lentamente, o deserto recupera o seu terreno com a sua fascinante fauna e flora do Karoo Suculento, a região desértica mais rica do mundo em espécies. As casas pitorescas desaparecem debaixo da areia, a natureza apaga pouco a pouco as pegadas da civilização e atrai novos aventureiros: fotógrafos, turistas e agentes de viagem especializados. 

Terça-feira, dia 2, PYRAMIDEN, A BASE SOVIÉTICA NA NORUEGA

Pyramiden foi, durante quase oitenta anos, a investida comunista no estrangeiro capitalista. Em 1920, devido a um tratado internacional, a Noruega cedeu à União Soviética a exploração de umas minas de carvão situadas no arquipélago de Svalbard. O regime de Lenine fundou Pyramiden, onde mil pessoas trabalharam na jazida durante curtos verões e longos invernos no meio do oceano Ártico. Em troca, eram recompensadas com condições de vida relativamente luxuosas. A queda do comunismo, no final da década de 1980, significou o princípio do fim de Pyramiden. Hoje em dia, a localidade é um monumento gélido do declive da União Soviética redescoberto por turistas e vendedores de objetos usados, e repovoado por ursos polares, raposas polares e gaivotas.

Quarta-feira, dia 3, LOHBERG, A MINA DE CARVÃO

A mina de Lohberg é um local fora do comum. Nos seus cem anos de atividade, chegou a ter até cinco mil trabalhadores a extraírem carvão através de poços que alcançavam os 1.200 metros de profundidade. Quando a mina encerrou em 2005, esta enorme instalação industrial perdeu a sua utilidade e foi abandonada. Desde então o local aguarda um novo uso.

Quinta-feira, dia 4, FORDLÂNDIA, A UTOPIA DE HENRY FORD

Fordlândia foi concebida como a materialização do sonho americano numa cidade situada em plena selva brasileira. Hoje em dia, restam apenas ruínas que nos falam dos limites da globalização numa época em que ainda faltava muito tempo para acontecer este final. Em 1928, o rei da indústria do automóvel, Henry Ford, não queria apenas assegurar a produção de borracha natural para os seus carros com una colónia à sua medida no Amazonas, mas também, como se se tratasse de uma experiência civilizadora, planeava deslocar o estilo de vida americano à selva mais profunda. Ford, apesar do seu entusiasmo e da grande quantidade de dinheiro que investiu durante vinte anos, não obteve mais do que um estrondoso fracasso. Hoje em dia, Fordlândia é uma espetacular cidade em ruínas e quase abandonada por completo no meio da selva, uma cidade fantasma que simboliza a deceção do sonho americano.

Sexta-feira, dia 5, DETROIT, A CIDADE DO MOTOR

Para muitos, Detroit, com o seu centro abandonado, não é mais do que um enorme páramo. O altíssimo desemprego e a violência acabaram com o sonho americano exatamente no local que o viu nascer. Mas mesmo assim existem motivos para a esperança: o vazio atrai pessoas jovens e criativas de todo o mundo. Novos artistas descobrem fábricas abandonadas para mostrar os seus trabalhos; exploradores urbanos entram nos inúmeros edifícios desabitados e documentam tudo com as suas câmaras. Por outro lado, movimentos como Urban Farming utilizam os enormes terrenos vazios no próprio centro da cidade para cultivar as suas próprias frutas e legumes orgânicos. Assim, entre todos, pouco a pouco estão a conseguir alterar o aspeto da Cidade do Motor.

O canal HISTÓRIA estreia a partir de dia 1 de Outubro, pelas 21h10, a série CIDADES FANTASMA.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close